Anvisa discute com sociedades médicas aplicação da Coronavac em crianças

Técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reúnem, nesta terça-feira (21), com representantes de sociedades médicas do país para discutir a possível aplicação da CoronaVac em crianças. Atualmente, apenas a Pfizer conseguiu autorização para ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos.

A CoronaVac é a vacina contra a Covid-19 produzida pelo Instituto Butantan, ligado ao governo do Estado de São Paulo, em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O imunizante foi, junto com o desenvolvido pela Universidade de Oxford, o primeiro a ter o uso autorizado pela Anvisa no Brasil, em janeiro.

O Instituto Butantan ainda não conseguiu o registro definitivo da CoronaVac no Brasil. Além disso, já teve negado pela Anvisa, em agosto, pedido para uso da vacina em crianças de 3 a 17 anos.

Na China, a vacina já é aplicada em crianças acima de 3 anos.

De acordo com a agência, na reunião desta terça, para discutir a CoronaVac, participam representantes da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

A discussão com sociedades médicas, de acordo com a Anvisa, faz parte do processo de análise do uso da vacina em crianças. Entretanto não haverá, nesta quarta, tomada decisão. A liberação do uso só pode ser feita pelos diretores da agência.

A CoronaVac é produzida a partir do vírus inativado, ou seja, pelo vírus morto ou por partes dele. Esses vírus não conseguem provocar a doença, mas são suficientes para gerar uma resposta imune e criar no organismo uma memória de como nos defender contra uma ameaça.

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.