Bolsonaro afirma que, sem voto impresso, Brasil vai ter “problema pior que EUA”

A apoiadores nesta quinta-feira (7/1), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) endossou a tese do presidente Donald Trump de que houve fraude nas eleições norte-americanas. O resultado deu vitória ao democrata Joe Biden e culminou na invasão do Congresso americano nessa quarta-feira (6/1), quando ocorria a certificação de Biden como presidente eleito.

Segundo Bolsonaro, que é aliado de Trump, a crise observada no país ocorre em decorrência da falta de confiança da população no voto e afirmou que contestações sobre o resultado eleitoral também podem ser observadas no Brasil nas eleições de 2022.

“Se nós não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”, afirmou.

“Olha só, pessoal, o pessoal tem que analisar o que aconteceu nas eleições americanas agora: basicamente qual foi o problema, a causa dessa crise toda: falta de confiança no voto. Então, lá o pessoal votou e potencializaram o voto pelos correios por causa da tal da pandemia, e houve gente lá que votou três, quatro vezes, mortos votaram, foi uma festa lá, ninguém pode negar isso daí.”

“Então, a falta dessa confiança levou esse problema que tá acontecendo lá. Aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 22, vai ser a mesma coisa. A fraude existe. Daí a imprensa vai falar: ‘sem provas, fala que a fraude existe’. Eu não vou responder esses canalhas. Eu só fui eleito porque tive muito voto em 18.”

Voto impresso

O voto impresso tem sido uma das principais bandeiras de Bolsonaro. Segundo ele, o uso de papel evitaria fraudes eleitorais. Em 2020, Bolsonaro disse que entregaria documentos que comprovariam que houve fraude no pleito de 2018, que o elegeu presidente. Ele sustenta que deveria ter sido eleito em primeiro turno. O mandatário, contudo, não chegou a apresentar os documentos.

Tramita, no Congresso, proposta de emenda à Constituição (PEC), de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), que exige a impressão de cédulas em papel na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos no Brasil. A admissibilidade da proposta foi aprovada em dezembro do ano passado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e aguarda formação de comissão especial para analisar o conteúdo.

Pelo texto, essas cédulas poderão ser conferidas pelo eleitor e deverão ser depositadas em urnas indevassáveis, de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria. Em junho de 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional o trecho da minirreforma eleitoral aprovada pelo Congresso em 2015, que previa o voto impresso.

Bolsonaro também criticou a restrição, feita pelo Twitter, da conta do presidente Trump. O microblog suspendeu Trump por 12 horas e removeu três tuítes publicados “por violações graves e repetidas” da política de integridade cívica da empresa.

A rede social avisou ainda que futuras violações das regras do Twitter poderão resultar na suspensão permanente da conta do presidente norte-americano.

“Pode ver: ontem, nos EUA, bloquearam o Trump nas mídias sociais. Um presidente eleito, ainda presidente, tem suas mídias bloqueadas”, criticou Bolsonaro.

A conversa do presidente com os apoiadores foi registrada em vídeo por um canal bolsonarista e ocorreu antes do expediente no Palácio do Planalto.

 

 

Metropoles

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *