Cidades do interior de SP cancelam Carnaval por causa da Covid

Ao menos 27 cidades do interior de São Paulo não terão Carnaval de rua em 2022. O temor é que o evento, sinônimo de aglomeração, favoreça a propagação de Covid. Entre os municípios que cancelaram o evento, estão Mogi das Cruzes, Ubatuba e Taubaté.

O Carnaval de rua de 2022 na capital paulista ainda depende das aprovações dos órgãos de Saúde que avaliam o cenário epidemiológico da pandemia da Covid-19. A prefeitura recebeu 867 inscrições de desfiles de blocos de rua -os cortejos serão entre os dias 19 de fevereiro e 6 de março.

Em Franca, o prefeito Alexandre Ferreira (MDB) anunciou nesta segunda-feira (22) que não haverá eventos promovidos pela prefeitura no Carnaval do ano que vem.

Ele alegou que o trânsito de pessoas de outros municípios para a cidade é uma preocupação, mesmo com a maior parte da população já tendo recebido duas doses da vacina contra a Covid-19.

“Atravessamos a pior fase da pandemia neste ano. Todos nós sofremos muito, perdemos muitas pessoas […] Depois de tanto sofrimento, tanta angústia, dor e esforço, não podemos mais correr riscos”, afirmou o prefeito.

Numa reunião conjunta em Guariba (a 339 km de São Paulo), 12 prefeituras decidiram não realizar o Carnaval do ano que vem, entre elas Jaboticabal, Taquaritinga e Monte Alto.

“Foi decidido por unanimidade que as cidades não realizarão o Carnaval em respeito às vítimas da Covid-19 e também o receio de uma nova onda do coronavírus”, afirmou o prefeito de Guariba, Celso Romano (PSDB).

Na última terça-feira (16), a Secretaria de Cultura de Taubaté se reuniu com os presidentes de escolas de samba e blocos da cidade e informou sobre o cancelamento do Carnaval do ano que vem.

A prefeitura propôs que as escolas organizem ações em suas sedes ou barracões, respeitando as regras sanitárias, e prometeu dar o apoio necessário para isso.

Em nota, a Prefeitura de Mogi das Cruzes diz que a Secretaria de Cultura está estudando formas de suprir a demanda artística.

Em suas redes sociais, a Prefeitura de Lins afirma que a pandemia ainda não acabou e, por isso, foi cancelado o investimento público. “O ano de 2022 será de apoio e reestruturação dessas entidades [escolas de samba] para que nos próximos anos tudo possa voltar à normalidade.”

Para justificar o cancelamento da festa em Cunha, a prefeitura afirma que, além da possibilidade de um novo surto de Covid, quer respeitar o enlutamento de quem perdeu familiares para o vírus. O argumento é utilizado também pela Prefeitura de Monteiro Lobato.

Já a Prefeitura de Suzano diz que a decisão foi tomada após estudo técnico da Secretaria Municipal de Saúde junto ao Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus (Covid-19).

Para cancelar o Carnaval de 2022, a Prefeitura de São Bento do Sapucaí afirma que levou em conta a dificuldade em controlar e manter os protocolos sanitários com a presença de turistas e moradores.

Em Santo Antônio do Pinhal, a prefeitura cancelou o evento mesmo estando há dias sem registrar casos de Covid. “O Carnaval a gente terá uma próxima oportunidade, quem sabe mais a frente, no segundo semestre, se tudo correr bem. Assim como outras cidades também colocaram essa situação, poderemos fazer um Carnaval fora de época”, disse o prefeito Anderson José Mendonça, o Parrão (PSDB) à rádio Pinhal FM.

*

CIDADES QUE CANCELARAM O CARNAVAL

Suzano

Franca

Ubatuba

Taubaté

Santo Antônio do Pinhal

Potirendaba

Mogi das Cruzes

Itápolis

Lins

Ibitinga

Cunha

Monteiro Lobato

Roseira

São Bento do Sapucaí

Guariba

São Simão

Dumont

Barrinha

Pitangueiras

Taquaritinga

Jaboticabal

Dobrada

Santa Ernestina

Monte Alto

Pradópolis

Paraibuna

Natividade da Serra

 

MSN

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *