CPI pede que Damares inclua servidor que denunciou compra da Covaxin em programa de proteção a testemunhas

CPI da Covid enviou um ofício ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos para pedir que o servidor Luis Ricardo Miranda seja incluído no programa federal de proteção a testemunhas (Provita).

Luis Ricardo é o servidor do Ministério da Saúde que denunciou, ao Ministério Público Federal e à CPI, irregularidades no contrato de compra da vacina indiana Covaxin e “pressões atípicas” de superiores para liberar a importação das doses.

Nesta sexta-feira (25), o servidor e o irmão – o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) – prestaram depoimento à CPI.

Na sessão, o parlamentar afirmou que, ao ser informado pessoalmente das suspeitas da dupla, o presidente Jair Bolsonaro apontou possível envolvimento do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, no suposto esquema.

O documento é assinado pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), e pelo próprio servidor do Ministério da Saúde, e endereçado à ministra Damares Alves. O pedido não estende a proteção ao deputado Luis Miranda.

Veja abaixo o trecho inicial do documento enviado à ministra Damares:

Trecho de documento em que a CPI pede inclusão de denunciante em programa de proteção a testemunhas — Foto: Reprodução

Trecho de documento em que a CPI pede inclusão de denunciante em programa de proteção a testemunhas — Foto: Reprodução

G1

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *