Denúncias de ‘fura-filas’ da vacinação contra Covid-19 na Paraíba podem ser feitas anonimamente e promotora de Saúde pede provas para investigação

Após vir à tona, denúncias de pessoas ‘furando a fila’ de vacinação contra a Covid-19 no município em Campina Grande, a promotora de Justiça da Saúde, Adriana Amorim, informou que vai solicitar ao secretário de Saúde a lista de vacinados. A ideia é apurar desde a chegada das doses da Coronavac. Além disso, revelou ao ClickPB, durante entrevista, que, para que, denúncias sejam feitas é necessário apresentação de provas (fotos, vídeos) para início da investigação.

É possível fazer a denúncia de forma anônima ou nos casos necessários pedir o sigilo. Pode ser feito por meios que o Ministério Público da Paraíba (MPPB) dispõe. “Nós temos vários canais, inclusive de denunciar de forma anônima. É importante que apresente alguma prova, uma foto. Não vai adiantar fazer a denúncia e não apresentar nada. É preciso que haja algo realmente que ajude na investigação”, afirmou em entrevista ao ClickPB.

É possível denunciar no canal de Ouvidoria (www.mppb.mp.br), protocolo eletrônico – nesse caso será necessário se identificar, porém é possível pedir o sigilo e anonimato ou mesmo pode comparecer presencialmente para denunciar. A denúncia ainda pode ser feita por e-mail. A promotora de Justiça da Saúde, de Campina Grande, Adriana Amorim, recomenda que o ideal é que a fotografia como provas.

“Estamos passando por um momento bem delicado. Você não pode deixar que um período tão importante já comece de forma irregular. É importante que todos colaborem, para que a gente possa acompanhar fiscalizando. A gente vai pedir essa lista ao secretário para acompanhar desde a remessa das doses”, frisou.

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *