Governo Bolsonaro contrata construtora da Paraíba sem funcionários, por R$ 3,6 milhões, para reformar museu no Rio de Janeiro

A Secretaria Especial de Cultura, comandada pelo secretário Mário Frias, contratou, por R$ 3,6 milhões, e sem licitação uma empresa que não tem funcionários ou matriz física sediada na Paraíba. Segundo as investigações, o endereço está em um caixa postal de nome virtual, a Construtora Imperial Eireli, da Paraíba.

A empresa deverá atuar na manutenção e conservação do Centro Técnico Audiovisual (CTAv), que fica na Zona Norte do Rio, em Benfica, e guarda relíquias do cinema nacional. No entanto, a empresa está localizada a 2,4 mil km do local e seu escritório virtual é especializado em fazer “gestão de correspondências”.

Conforme revelou o Jornal O Globo, Danielle Nunes de Araújo, proprietária da empresa, chegou a se cadastrar no auxílio emergencial e recebeu R$ 3,9 mil referente a oito meses de pagamento do benefício. Ela confirmou que tem o hábito de realizar reuniões no local para tratar de contratos, mas, o dono do espaço, afirmou que não tem recordações de ter recebido Danielle ou qualquer outro colaborador da construtora. Parentes e conhecidos da mulher também não a identificaram como empresária, mas sim como uma dona de casa discreta que estava passando por dificuldades financeiras recentemente.

Segundo a base de dados do Ministério da Economia, declaração da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), entregue em 2019, ano em que a empresa foi criada, não registrou sequer algum funcionário da Construtora Imperial. Esta foi a última declaração entregue a pasta, que determina a atualização das informações anualmente. Além da firma não ter um site ou qualquer outro meio de esclarecer os serviços que presta, ela nunca prestou serviços ao governo.
Continua após a publicidade

O suposto combinado, porém, seria para a Construtora atuar na manutenção do CTAv, depois de um estudo encomendado pelo próprio centro técnico ter apresentado riscos de incêndio e desabamento do prédio. O documento informou, ainda, que havia “desaprumo de telhas na fachada frontal”.

Em um comunicado oficial, a Secretaria Especial de Cultura alegou que “o contrato emergencial do CTAV obedeceu aos requisitos legais, e foi escolhida a proposta de menor preço”. O texto acrescentou, ainda, que “a empresa em questão possui inúmeros contratos anteriores com a administração pública. A área técnica do Ministério do Turismo observou todas as exigências legais, estando em plena execução das obras. Além disso, ao contrário do que foi noticiado, a contratação não foi realizada pelo Secretário Especial da Cultura”.

 

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *