Governo lança 34° Salão do Artesanato em homenagem aos bordados

O Governo do Estado, por meio do Programa do Artesanato Paraibano (PAP)/Secretaria do Turismo e Desenvolvimento Econômico (Setde), promoveu nesta quarta-feira (1°), em Campina Grande, o lançamento do 34° Salão do Artesanato Paraibano. O evento ocorreu no Museu de Arte Contemporânea (MAC)/Unifacisa, mesmo local em que o Salão será realizado, de 8 de junho a 3 de julho, com o tema “Bordados que contam histórias”. O 34° Salão do Artesanato é uma realização do Governo do Estado e Sebrae, em parceria com diversas instituições, a exemplo da Unifacisa e do Corpo de Bombeiros Militares.

Na ocasião, foram apresentados diversos detalhes do evento, como o plano de marketing, detalhes do projeto de decoração e ambientação. O lançamento do 34° Salão do Artesanato Paraibano foi prestigiado por auxiliares do Governo do Estado, artesãos, entre outros segmentos da sociedade.

O secretário executivo da Comunicação Institucional, Fábio Barros, falou da importância para a retomada do Salão de Campina Grande após dois anos sem realização presencial por conta da pandemia. “É com muito prazer que a gente volta a realizar o Salão aqui em Campina Grande, neste mês de junho, época da maior atividade econômica aqui na região. Que a gente possa unir esforços com o Sebrae e demais parceiros para tornar esse evento num dos maiores já realizados na Rainha da Borborema”, disse, destacando as ações do Governo do Estado em prol do segmento durante a pandemia.

A gestora do PAP, Marielza Rodriguez, também destacou a satisfação pelo retorno do Salão do Artesanato a Campina Grande. “É uma alegria enorme voltar a fazer o Salão aqui em Campina Grande, dentro desse afeto, de todo esse calor. Os artesãos estão muitos ansiosos para esse momento. Tão logo acabou o Salão de João Pessoa, eles já começaram a produzir. E todos com a vontade de abraçar o turista, de se confraternizar nessa grande festa do artesanato paraibano. Teremos um dos maiores Salões já realizados aqui na Rainha da Borborema”, afirmou.

Mais uma vez, a solidariedade – com a entrada ao evento mediante um quilo de alimento não perecível de forma não obrigatória – e o respeito ao meio ambiente, com proibição de sacolas plásticas e canudos, serão uma das características marcantes na realização do Salão do Artesanato de Campina Grande.

O gerente regional do Sebrae-PB, João Alberto Miranda, também destacou a expectativa para o Salão do Artesanato. “Há uma grande soma de fatores positivos: a expectativa para o Maior São João do Mundo e a volta, após esse período, do Salão do Artesanato. Não tenho dúvidas de que todos os artesãos estarão empenhados nas vendas que, com certeza, vão acontecer”, comentou.

Além do bordado, outras 23 tipologias farão o coração do público bater mais forte: brinquedos populares, batik, crochê, couro, madeira e metal, entre outras, além da tradicional gastronomia. Outra grande pedida para o 34° Salão do Artesanato são as atrações culturais.

A presidente da Empresa Paraibana de Turismo (PBTur), Ruth Avelino, afirmou que o artesanato é um dos segmentos mais importantes na promoção do Destino Paraíba. “O artesanato, assim como a gastronomia, como uma praia, uma cachoeira, ele é um atrativo turístico. As pessoas quando viajam, além de quererem conhecer os atrativos naturais daquela cidade, elas querem conhecer a cultura, que é o artesanato, a música, a dança, a gastronomia. Então, o artesanato forte é muito importante para esse trabalho de captação que a gente faz”, disse.

A presidente da Empresa Paraibana de Comunicação (EPC), Naná Garcez, falou da satisfação pela parceria com o Salão. “Estamos, por exemplo, mais uma vez com o programa ‘Tabajara no Salão’. Todas as sextas-feiras, vamos fazer uma transmissão ao vivo. Tivemos acompanhado todos os Salões de Artesanato e percebemos que são histórias maravilhosas, com muita criatividade, com muita alegria”, acrescentou.

A solenidade de lançamento do 34° Salão do Artesanato Paraibano foi prestigiada por auxiliares do Governo do Estado, além de artesãos e de outros segmentos.

O funcionamento do 34° Salão do Artesanato Paraibano será todos os dias da semana, das 15h às 22h. O evento será realizado de 8 de junho até 3 de julho, no Museu de Arte Contemporânea (MAC)/Unifacisa, na rua João Lélis, 581, no Bairro de Catolé, em Campina Grande. Ao todo, 400 expositores, selecionados por meio de edital de chamamento público, vão participar do evento.

As grandes homenageadas – Ao chegar em sua 34ª edição, o Salão do Artesanato de Campina Grande presta uma justa homenagem às artesãs bordadeiras. Espalhada por todo o Estado, a tipologia se concentra principalmente nos municípios de João Pessoa, Campina Grande – com destaque para o Distrito de Galante -, Serra Redonda, Alagoa Nova e Gurinhém.

Eurídice Honorato, de Alagoa Nova e aos 70 anos, não esconde a alegria pela homenagem do Governo do Estado ao bordado, arte que aprendeu aos 10 anos de idade. “Eu aprendi a bordar numa escola que tinha em Alagoa Nova, num sítio. O bordado me ajudou a tornar menos dolorosa a perda do meu marido, a complementar a renda. Por isso, estou muito feliz por essa homenagem que o bordado recebe”, contou.

O sentimento de alegria também é compartilhado pela mestra Evanilda Cavalcante, a dona Dida. De Serra Redonda, a artesã bordadeira e mestra labirinteira também não esconde a alegria pela homenagem. “A gente nem sabe dizer a alegria com essa homenagem. Estamos muito felizes – e não era para menos. Vejo nessa homenagem uma grande oportunidade de valorização do bordado. Se Deus quiser, vamos ter também boas vendas”, comentou.

Megaestrutura – Outro grande destaque é a megaestrutura montada para o evento, oferecendo todo o conforto e facilidade para quem visitar o 34° Salão do Artesanato. Ao todo, são 24 tipologias disponíveis, que se transformam em inúmeras peças de arte, únicas como o genuíno artesanato tem de ser.

Numa área de mais de 3 mil metros quadrados, uma decoração e ambientação inspiradas no grande homenageado: o bordado. “É uma arquitetura efêmera, o espaço vai ser montado e desmontado, mas a gente parte do pressuposto do tema, que é o bordado. Então, a gente tenta fazer tudo para expor da melhor forma esse artesanato: nas prateleiras, nos módulos, o próprio caminhar arquitetônico por dentro da feira”, adiantou o arquiteto responsável pelo projeto, Gustavo Vaz.

Outro detalhe apresentado durante o lançamento do Salão do Artesanato foi o plano de marketing, que consta de uma peça publicitária, na qual mais uma vez os artesãos são os astros, além da produção de nove minidocs contando a história de alguns homenageados e chamadas curtas pelos próprios artesãos, disponíveis nas redes sociais. “É uma campanha toda artesanal também. A gente compôs a música com vozes, sem instrumentos, um comercial de televisão estrelado pelos próprios artesãos e artesãs”, resumiu Dimas Rohn.

Serviço:

34° Salão do Artesanato
Local : Museu de Arte Contemporânea (MAC)/Unifacisa – Campina Grande
Período : 8/6 a 3/7
Horário : das 15h às 22h
Tema : “Bordados que contam histórias”
Realização : Governo do Estado e Sebrae-PB

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.