Paraíba mantém estabilidade nos casos de sífilis em 2021

A Paraíba vem apresentando situação de estabilidade nos casos de sífilis em 2021. A Secretaria de Estado da Saúde avalia que o cenário controlado do agravo ainda pode ser um reflexo da pandemia e alerta a população para o diagnóstico precoce e tratamento em tempo oportuno.

De acordo com a chefe do Núcleo de IST/AIDS da SES, Joanna Ramalho, uma investigação foi realizada pelo Comitê Estadual de Investigação de Transmissão Vertical de Sífilis e muitos casos de sífilis congênita estão sendo descartados. Ela afirma que a tendência é que até o final do ano seja detectada uma redução. Em 2020, a Paraíba teve 356 casos confirmados. Este ano, até este mês de julho, são 259 casos.

Sobre a sífilis em gestante, Joanna Ramalho afirma que a Paraíba finalizou 2020 com 844 casos confirmados e que este ano são 463 casos. Ela explica que a estabilidade pode ser reflexo da pandemia, com a baixa procura de pré-natal. Porém, ela acredita que há uma diminuição de casos que está atrelada ao tratamento oportuno e acesso fácil ao diagnóstico.

“A redução provavelmente se deve a uma política bem desenhada de enfrentamento, em que está sendo ofertado o diagnóstico precoce e o tratamento oportuno, quebrando a cadeia de transmissão. Quanto mais a gente trata a população, quanto mais a população tem acesso ao diagnóstico e acesso ao tratamento, a cadeia de transmissão tende a reduzir”, pontua.

A chefe do Núcleo de IST/AIDS reforça que a rede de atenção à pessoa com sífilis na Paraíba é organizada. O Estado adquire insumos de prevenção e abastece todos os 223 municípios, além de ter uma rede de diagnóstico na Atenção Básica (AB) em que todas as Unidades Básicas de Saúde ofertam o teste rápido para a infecção, que é um exame de triagem, e os exames complementares de VDRL, que é o laboratorial. Por meio de recomendação do Ministério Público, os profissionais de saúde podem prescrever a penicilina benzatina que é a medicação apropriada para prevenir a sífilis congênita.

Joanna Ramalho lembra também que a prevenção da transmissão vertical, ou seja, da gestante para o feto, é feita por meio de um pré-natal de qualidade para ter um tratamento oportuno e assim evitar que a criança nasça com a sífilis congênita.

Sífilis – Infecção sexualmente transmissível, a sífilis pode apresentar várias manifestações clínicas e diferentes estágios (sífilis primária, secundária, latente e terciária). A primeira etapa envolve uma ferida indolor nos órgãos sexuais ou na boca. Após a cura da ferida inicial, a segunda fase é caracterizada por uma irritação na pele. Depois, não há sintomas até a fase final, que pode ocorrer anos mais tarde e pode resultar em danos para cérebro, nervos, olhos ou coração. O agravo tem cura e é tratado com penicilina benzantina, disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde.

 

 

SecomPB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *