Paraíba tem 27,7% de área desertificada e é o segundo estado mais impactado pelo fenômeno no país, aponta relatório do IPCC

Dados do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado na última segunda-feira (9), mostram que a Paraíba é o segundo estado mais impactado pela desertificação que atingiu o semiárido brasileiro nos últimos anos. De acordo com os números, o estado tem 27,7% de sua área total afetada pelo fenômeno e fica atrás apenas de Alagoas, com 32,8%.

As principais causas apontadas são as mudanças climáticas e a destruição da caatinga no Brasil, que neste ano atingiram uma alta de 164% de desmatamento até 1º de agosto em relação ao mesmo período de 2020, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ao todo, foram registrados 2.130 focos de queimadas pelo país – o maior número em nove anos.

O relatório também aponta que a desertificação foi acentuada no período entre 2012 e 2017 pela maior seca que se abateu no semiárido brasileiro desde 1850, quando os níveis de chuva começaram a ser registrados.

Os outros estados impactados foram Rio Grande do Norte (27,6%), Pernambuco (20,8%), Bahia (16,3%), Sergipe (14,8%), Ceará (5,3%), Minas Gerais (2%) e Piauí (1,8%). A área já desertificada equivale ao tamanho da Inglaterra, cerca de três vezes o tamanho do estado do Rio de Janeiro, ou a 23 vezes a área do Distrito Federal.

Segundo o IPCC, sem políticas públicas para combate a desertificação, a tendêcia é que as populações locais enfrentarão oscilações na quantidade e regularidade de água, impactando diretamente na “segurança alimentar e prosperidade econômica”.

 

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *