Polícia encontra depósito de José Dumont para menor de idade

Durante a busca na casa de José Dumont, que resultou em sua prisão em flagrante por posse de pornografia infantil, a polícia encontrou um comprovante de depósito bancário de R$ 1 mil para o menino de 12 anos que seria vítima de abuso do ator.

De acordo com a polícia, Dumont teria se aproveitado do prestígio e reconhecimento como ator para atrair a atenção da criança, que o tinha como ídolo. A investigação sugere que ele desenvolveu um relacionamento próximo com o menino, oferecendo dinheiro e presentes, valendo-se da vulnerabilidade financeira da vítima para fazer investidas, com beijos e carícias íntimas na vítima.

Essa aproximação foi registrada por câmeras de segurança, que serviram de base para a abertura da investigação policial.

Confrontado com as imagens de pornografia infantil apreendidas em seu celular e no seu computador pessoal, o ator disse, em depoimento prestado à polícia, que elas eram trabalho, fazendo parte de um “estudo para a futura realização de um trabalho acerca do tema, sem tabus ou filtros”.

Ele faria o papel de um explorador de menores na novela “Todas as Flores”, da Globoplay, mas foi demitido após a prisão.

A polícia agora busca identificar uma suposta segunda vítima de Dumont, mencionada no pedido de busca e apreensão pelo juiz Daniel Werneck Cotta.

Em um trecho da decisão, revelada pelo jornal Extra, Cotta cita duas observações feitas pelos agentes investigadores: “Em sua representação, justifica a autoridade policial que a prisão temporária seria necessária ‘à identificação de uma outra criança de idade semelhante à de X. (nome da criança), vítima em potencial do investigado’ e que ‘É importante investigá-lo, já que diversas outras crianças já podem ter sido alvo do suspeito. Importante frisar que, caso seja detido, outras crianças podem aparecer imputado ao ator fato semelhante’”.

Dumont também é investigado por pedofilia na Paraíba desde 2013. Responsável pela denúncia, o Ministério Público Estadual pretende retomar a investigação após a prisão do artista no Rio de Janeiro.

O crime teria acontecido em 2009 em Cabedelo, onde Dumont tinha um apartamento. Os documentos que chegaram à imprensa trazem depoimentos de duas testemunhas, que alegam ter presenciado abusos por parte do ator contra um grupo de meninos. Na ação que corre na 1ª Vara Mista de Cabedelo, na região metropolitana de João Pessoa, ele é indiciado pelo crime de estupro de vulnerável.

O último trabalho do ator na TV tinha sido o Coronel Eudoro em “Nos Tempos do Imperador” (2021). Ele é visto em produções da Globo desde que teve o papel principal no telefilme “Morte e Vida Severina”, de 1981, e também participou da versão original de “Pantanal” na TV Manchete.

Com uma longa carreira nas telas que vem desde o filme “Lucio Flávio, o Passageiro da Agonia”, de 1977, Dumont também colecionou 21 prêmios nacionais e internacionais, incluindo três Candangos de Melhor Ator em Longa-Metragem no Festival de Brasília, dois Kikitos de Melhor Ator e um de Coadjuvante no Festival de Gramado, além de prêmios equivalentes nos festivais do Rio, Recife (Cine-PE), Miami (EUA), Havana (Cuba) e Huelva (Espanha).

MSN

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.