Promotora apresenta denúncia por estupro e feminicídio da estudante de Medicina

A promotora de Justiça do Ministério Público da Paraíba (MPPB), Artemise Leal, apresentou denúncia contra Johannes Dudeck por estupro e feminicídio da estudante de Medicina, Mariana Thomaz. Em um namoro com o denunciado que durou cerca de um mês, ela foi encontrada morta no apartamento dele no bairro do Cabo Branco, em João Pessoa, no dia 12 de março. O rapaz disse que a namorada havia passado mal, mas a perícia encontrou sinais de estrangulamento e ele acabou preso pela Polícia Militar.

A promotora Artemise Leal, que atua no Tribunal do Júri da Capital, informou que ofertou denúncia contra o acusado, nessa segunda-feira (28), pelos crimes de estupro e feminicídio, mas que não pode fornecer detalhes, visto que o processo tramita em segredo de justiça.

O delegado Rodolfo Santa Cruz já havia indiciado Johannes Dudeck por estupro e feminicídio, com base nas evidências das perícias realizadas no local e no corpo da estudante de Medicina, conforme noticiou o ClickPB, na semana passada.

Mariana Thomaz era natural de Lavras da Mangabeira, no Ceará, sobrinha do ex-presidente do Senado, Eunício de Oliveira, e estudava Medicina em uma faculdade particular em João Pessoa. Foi sepultada em seu município de origem no último dia 13 de março.

Johannes segue recolhido na prisão especial, no bairro do Valentina, após ter a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva pela Justiça. Ele é ex-presidiário, já que havia cumprido detenção por outro caso de violência contra mulher, em meio a diversas denúncias de comportamento violento com as namoradas com quem se relacionou.

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.