Em casos leves de Influenza, pessoas sem fatores de risco devem evitar emergências de hospitais e UPAs na Paraíba

A Paraíba, assim como estados no Brasil, já vive uma epidemia da Influenza A com a circulação do subtipo H3N2. Apesar disso, a maioria dos casos são considerados leves, principalmente de pessoas sem fatores de risco associados. Por conta disso, a orientação é que a população, caso precise, procure as Unidades de Saúde da Família (USF) e evitem lotar as emergências dos hospitais e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

“Estamos numa epidemia de H3N2 no estado. Isso é inegável para a demanda das nossas UPAs e emergências hospitalares elevadas com pessoas com gripe. O que tem que ser ressaltado é que as pessoas que não têm fatores de risco elas devem evitar ir as emergências e as UPAs se medicarem”, comentou, em conversa com o ClickPB, Geraldo Medeiros, secretário de Estado da Saúde (SES-PB).

De acordo com Medeiros, trata-se de uma doença autolimitada, que evolui em cinco ou sete dias, regredindo  espontaneamente. “Não há necessidade de nenhuma medicação de nenhuma medicação apenas medicação sintomáticas: antitérmico e analgésico se necessário”, frisou. No entanto, pontuou que pessoas com fatores de risco, a partir do diagnóstico, serão medicadas.

Incluem pessoas com fatores de risco idosos acima de 60 anos, crianças abaixo de 5 anos, puérperas até 15 dias após o parto, gestantes, pacientes com doenças autoimunes e que se utilizam cortecoide ou imunossupressores continuamente, ou com doenças associadas. Após o diagnóstico de H3N2 será receitado medicamento a ser tomado por um período de cinco dias.

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *