Justiça condena empresário a 13 anos de prisão por sonegação de impostos com prejuízo de R$ 12 milhões ao Estado da Paraíba

A 2ª Vara Criminal de João Pessoa condenou um homem denunciado por sonegação de impostos. O crime teria causado prejuízo de R$ 12 milhões aos cofres públicos do Estado da Paraíba. José Barreiro Maia Filho foi condenado a 13 anos, sete meses e 10 dias de prisão, que serão cumpridos inicialmente em regime fechado.

Ele pagará também 112 dias de multa pela prática de crimes contra a ordem tributária (Lei 8.137/90), falsidade ideológica e uso de documentos falsos (previstos no Código Penal).

Na sentença, o juiz Tércio Chaves de Moura destacou que a materialidade e autoria do crime de falsidade ideológica, por fraudes em CPFs e outros documentos para viabilizar a abertura de empresas, foram devidamente comprovadas através de laudo pericial que constatou que esses documentos foram assinados pelo acusado. Também restou comprovada a prática de três crimes de uso de documentos falsos. O magistrado destacou ainda a gravidade do dano causado ao erário e a sua repercussão da prestação de serviços essenciais à população.

O réu possuía documentos de identidade, habilitação e CPF falsificados para realizar abertura de empresas, com a finalidade de sonegar impostos, causando, desta forma, grave dano aos cofres públicos do Estado da Paraíba, o que resultou na condenação pelos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica e uso de documento falso.

A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público da Paraíba como desdobramento de uma representação fiscal para fins penais. Contudo, o réu havia sido preso também decorrente da Operação Orange, que foi iniciada sob investigações da Secretaria de Estado Fazenda (Sefaz-PB) em conjunto com a Polícia Civil e a Promotoria de Crimes contra a Ordem Tributária.

Os crimes foram praticados nos anos de 2012 e 2013, quando o acusado, agindo na qualidade de administrador de uma empresa localizada no bairro de Oitizeiro, em João Pessoa, sonegou tributo mediante fraude à fiscalização tributária por omissão de vendas de mercadorias às autoridades fiscalizatórias. O acusado chegou a ser preso preventivamente em abril de 2019 e a Justiça também autorizou a quebra do sigilo telemático e dos dados telefônicos do celular de propriedade dele.

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *