Gastos extraordinários do governo contra Covid caem de R$ 524 bi em 2020 para R$ 103 bi em 2021

Mesmo com o avanço da Covid-19 no país, o governo federal reduziu de R$ 524 bilhões para R$ 103 bilhões a previsão de gastos extraordinários contra os efeitos da pandemia.

Os valores foram confirmados nesta sexta-feira (23) pelo secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, durante entrevista no Palácio do Planalto sobre o Orçamento de 2021.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta (22) o orçamento com vetos, e integrantes da equipe econômica detalharam a medida nesta sexta. A sanção ocorreu no último dia do prazo e após impasse com o Congresso sobre aumento de emendas parlamentares e redução de gastos obrigatórios.

Segundo o Tesouro, os gastos extraordinários com a pandemia previstos para 2021 são:

  • Nova rodada do auxílio emergencial: R$ 44,86 bilhões;
  • Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego: R$ 4,45 bilhões;
  • Financiamento da Infraestrutura Turística: R$ 1,92 bilhão;
  • Despesas adicionais do Ministério da Saúde e demais ministérios: R$ 14,43 bilhões;
  • Aquisição de vacinas: R$ 22,29 bilhões;
  • Nova rodada do programa de manutenção do emprego: R$ 10 bilhões;
  • Nova rodada do programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe): R$ 5 bilhões.

GASTOS COM A PANDEMIAGASTOS PAGOS EM 2020 x PREVISÃO PARA 2021 (EM R$ BILHÕES)AUXILIO EMERGENCIALPROGRAMA DE MANUTENÇÃO DO EMPREGOGARANTIA A PROGRAMAS DE CRÉDITOGASTOS COM SAÚDE*COMPRA DE VACINASAUXÍLIO FINANCEIRO AOS ESTADOS E MUNICÍPIOS2020202101002003004002020
● PROGRAMA DE MANUTENÇÃO DO EMPREGO: 33,5
Fonte: PAINEL DO TESOURO NACIONAL E INFORMAÇÕES DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

Os valores ainda podem mudar de acordo com a necessidade de novas despesas pelo Ministério da Saúde. Nas demais ações, o Ministério da Economia indicou que as previsões de gastos não serão alteradas.https://3c72ee16aea7bb8a66a5b15f9f9b7b92.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“São R$ 10 bilhões para o BEm [programa de manutenção do emprego] e, para o Pronampe, R$ 5 bilhões. Isso daria R$ 103 bilhões, e tem um pouco de Saúde. O que vem de Saúde, aí tem que analisar os pedidos que vão vir durante a pandemia”, declarou Bruno Funchal nesta sexta-feira.

No ano passado, a liberação de recursos para o combate à pandemia foi facilitada pela decretação do estado de calamidade pública e pela aprovação do chamado “orçamento de guerra”.

Neste ano, em carta à nação brasileira, o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) pediu o “reconhecimento legal do estado de emergência sanitária”.

No começo de abril, o ministro da Economia, Paulo Guedes, estimou que os gastos para combater a pandemia em 2021 não deveriam ser superiores a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, cerca de R$ 82 bilhões.

De acordo com a última previsão do governo, porém, esse valor poderá ser ultrapassado. Guedes avaliou que a redução de despesas, na comparação com 2020, se deve ao processo de vacinação em massa e à “duração menor da crise” sanitária.

Na ocasião, o ministro da Economia também afastou a possibilidade de decretar novo estado de calamidade pública.

“Dizem: aperta o botão da calamidade. Já apertou [ano passado]. Se eu apertar de novo, a única coisa é que estou dando um cheque em branco para gastar. O ganho [economia de gastos] que é não ter aumento de salário [de servidor público], já está bloqueado [até o fim deste ano]. Se eu apertar, estou só liberando gastos indefinidamente sem ganhar nada”, afirmou Guedes em abril.

G1

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *