Ministério Público de Contas aciona Justiça e pede suspensão dos aumentos de salários de prefeitos e vereadores em cinco municípios paraibanos

O Ministério Público de Contas da Paraíba (MPC-PB) protocolou representações contra cinco municípios paraibanos pedindo a suspensão dos aumentos na remuneração de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Os processos aos quais o ClickPB teve acesso são contra os municípios de Montadas, Mamanguape, Alhandra, Sousa e Cajazeiras.

No caso de Alhandra, o município já concedeu reajuste no início de 2020, por isso o MPC-PB pede que não haja outras matérias desse tipo para 2021.

Nos pedidos, o MPC argumenta que, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, é nulo o ato de que resulte aumento da despesa com pessoal nos 180 dias anteriores ao final do mandato do titular de Poder. a mesma lei também considera nulo o ato de que resulte aumento da despesa com pessoal que preveja parcelas a serem implementadas em períodos posteriores ao final do mandato do titular de Poder.

Além disso, a Lei Complementar 173/2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19), proíbe, até dezembro de 2021, a concessão, a qualquer título, de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a membros de Poder ou de órgão, servidores e empregados públicos e militares, exceto quando derivado de sentença judicial transitada em julgado ou de determinação legal anterior à calamidade pública.

Essa mesma lei também proíbe a adoção de medida que implique reajuste de despesa obrigatória acima da variação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), observada a preservação do poder aquisitivo.

Alhandra

Ao contrário dos outros municípios, que concederam reajustes a partir de 2021, em Alhandra o reajuste foi concedido já em 2020. De acordo com o documento do MPC-PB, a remuneração dos vereadores subiu de R$ 5.041,67, no início da legislatura (2017), para R$ 7.590,00, em 2020. Já a remuneração do presidente da Câmara passou de R$ 7.500,00 para R$ 10.128,00 no mesmo período.

O MPC-PB pede que a Câmara Municipal de Alhandra se abstenha de praticar qualquer reajuste para 2021, e também que remeta ao Tribunal de Contas a Lei que amparou o aumento concedido em 2020.

Montadas

No caso da Prefeitura de Montadas, notícias divulgadas na imprensa indicam que os vereadores aumentaram os próprios salários de R$ 4 mil para R$ 5,5 mil, enquanto o salário do prefeito subiria de R$ 12 mil para R$ 16 mil, tudo isso a partir de 2021.

O site do Legislativo de Montadas, porém, estava fora do ar, impossibilitando o MPC-PB de ter acesso ao conteúdo completo da Lei. Por isso, o pedido do MPC inclui a intimação do vereador Ronaldo de Oliveira, que presidiu a sessão na qual foi concedido o reajuste, e também do prefeito de Montadas, Jonas de Souza, para demonstrar a compatibilidade dos atos/procedimentos com a norma.

Mamanguape

Em Mamanguape, o subsídio dos vereadores aumentou de R$ 7 mil para R$ 8.840,99, enquanto o do presidente da Câmara passou de R$ 10.128,90 para R$ 13.261,48. Os subsídios dos secretários municipais subiram de R$ 5 mil para 7 mil, mas os salários de prefeito e vice-prefeito foram mantidos iguais, R$ 22 mil e R$ 11 mil, respectivamente.

Embora essas informações tenham sido divulgadas na imprensa, o MPC-PB mais uma vez não teve acesso ao texto integral da lei, que não estava publicada no site da Câmara Municipal. Por isso, o vereador Luciano Castor de Souza, que presidiu a sessão na qual foi concedido o reajuste, também deve ser intimado para esclarecimentos.

Sousa

Em Sousa, os subsídios dos vereadores foram fixados em R$ 10 mil a partir de janeiro de 2021, enquanto o presidente da Câmara deve receber R$ 15 mil. O subsídio do prefeito foi fixado em R$ 19.946,52, o do vice-prefeito em R$ 9.973,26 e o dos secretários em R$ 7.978,60.

O MPC-PB destacou, porém, que, em consulta ao portal eletrônico da Câmara Municipal de Sousa, não encontrou os referidos instrumentos normativos e documentos/deliberações a eles correlatos.

O presidente da Câmara Municipal de Sousa, Radamés Estrela, deve ser intimado para prestar esclarecimentos sobre o aumento.

Cajazeiras

No caso de Cajazeiras, o subsídio do prefeito subiu para R$ 24 mil (mais do que ganha o prefeito de João Pessoa) e o do vice-prefeito para R$ 17 mil. O presidente da Câmara passará a ganhar R$ 15 mil e os vereadores R$ 12 mil. O subsídio dos secretários ficou em R$ 9 mil.
Os valores foram divulgados na imprensa, mas a lei que contém os reajustes não foi publicada no site da Câmara Municipal.

Tanto o prefeito de Cajazeiras, José Aldemir Meireles de Almeida, quanto o vereador Otacílio Jurema, que presidiu a sessão na qual o reajuste foi concedido, devem ser intimados para prestar esclarecimentos.

 

 

Click PB

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *