‘Parente’ do Sars-CoV-2 é achado em morcegos

Mais um “parente” do Sars-CoV-2, o vírus causador da Covid, foi encontrado no Sudeste Asiático. O mais novo achado, com semelhança em 92,6% do genoma, na verdade não é tão novo assim.

As análises foram feitas em material coletado, em 2010, de dois morcegos-ferradura Rhinolophus shameli no Camboja.

Apesar do percentual de semelhança elevado entre os coronavírus, há uma diferença na parte do genoma referente à proteína S -que permite, no Sars-CoV-2, a invasão de células humanas. No caso do novo parente, a área não é compatível com os receptores dos seres humanos e os dados da pesquisa não apontam potencial de infecção.

De toda forma, os pesquisadores, que publicaram o estudo na revista Nature Communications, nesta terça (9), apontam que mais avaliações são necessárias para entender a possível gama de hospedeiros, entre eles os humanos, dessa sublinhagem.

Um ponto curioso é que, apesar da semelhança entre o coronavírus encontrado no Camboja e o Sars-CoV-2, a espécie de morcegos onde o vírus foi encontrado não habita a China. Isso indicaria, segundo os cientistas, que parentes do causador da Covid estão mais distribuídos geograficamente do que se imaginava anteriormente. E, com isso, o “Sudeste Asiático representa uma área-chave para vigilância de coronavírus”.

Em 2020, os pesquisadores já haviam anunciado que tinham encontrado vírus semelhantes ao Sars-CoV-2 guardados em freezers no Camboja e também no Japão. Restava saber, porém, o quão de fato geneticamente próximos ao causador da Covid esses vírus eram.

Esses não são os únicos parentes do Sars-CoV-2 encontrados pelo mundo. Entre os outros há, inclusive, primos mais próximos, como os achados em morcegos do Laos e em uma caverna na província de Yunnan, na China.

O coronavírus achado no Laos teria uma semelhança genética de 96,8%, e o de Yunnan, de 96.2%.

Apesar de ainda haver algum grau de discussão sobre o assunto, cientistas afirmam, com base nas evidências disponíveis, entre elas o maior estudo evolutivo de coronavírus, que a hipótese de origem natural do vírus é a mais provável. Apesar disso, ainda não foi encontrado o grupo de animais que pode ter transmitido o Sars-CoV-2 para os seres humanos.

A forma como o vírus saltou entre espécie também é desconhecida. Entre as possibilidades estão: a passagem natural de um hospedeiro para humanos -o “spillover” ou “salto” entre espécies, o que já conhecido em outros coronavírus- e um contágio indireto através de um animal criado e comercializado.

“Nosso entendimento atual da distribuição geográfica das linhagens Sars-CoV e Sars-CoV-2 possivelmente refletem uma falta de amostragem no sudeste da Ásia”, afirmam os pesquisadores, citando Mianmar, Laos, Tailândia, Camboja e Vietnã, locais onde foram encontrados, até o momento, as amostras mais com genoma mais próximo ao do causador da Covid.

 

 

MSN

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *