Adolescentes suspeitos de participar de estupro coletivo são liberados

Adolescentes suspeitos de participar de estupro coletivo são liberados

Policial
Joaquim
7 de maio de 2023
56

A Justiça determinou que os três adolescentes, de 12, 13 e 14 anos, suspeitos de estuprar uma menina, de 14 anos, e filmar o crime, em Silvânia, no centro goiano, fossem liberados da internação. Eles estavam internados provisoriamente desde o dia 17 de abril, após serem apreendidos por abusar da menor. Um jovem de 23 anos foi indiciado pelo mesmo crime, segundo a Polícia Civil (PC). O processo corre em segredo de Justiça.

Como o nome do indiciado e dos menores não foram divulgados, o g1 não conseguiu localizar as defesas deles para que se posicionassem até a última atualização desta reportagem.

A liberação dos adolescentes aconteceu na última sexta-feira (5), cerca de 20 dias depois da internação deles no Centro de Internação Provisória de Anápolis, a 55 km de Goiânia. A princípio, a Justiça determinou que eles devessem ficar 45 dias no local.

O g1 procurou o Ministério Público por e-mail para saber se o órgão irá recorrer da decisão, mas o questionamento não foi respondido até a última atualização desta reportagem.

A PC informou, em relação ao maior indiciado por estupro coletivo, que ele segue preso no Presídio de Silvânia. A vítima, por outro lado, vem passando por um acompanhamento psicológico para se recuperar do trauma sofrido pelo estupro.

Relembre o crime

Os jovens foram apreendidos e o maior preso no dia 15 de abril, um dia depois do estupro coletivo, conforme o delegado Leonardo Sanches. Três dias depois, a corporação apreendeu os celulares dos três adolescentes, sendo que em um dos aparelhos foi encontrado um vídeo do crime, no qual, o adolescente de 14 anos aparece filmando o momento em que estava abusando da jovem. Ele também teria levado as roupas íntimas da vítima para casa.

“No vídeo podemos ver claramente que a vítima está completamente dopada, sem consciência e sem condições de apresentar qualquer tipo de resistência”, descreve Sanches.

Além do vídeo, Sanches detalhou que as investigações identificaram que os três adolescentes estudavam na mesma escola que a vítima, que foi embriagada e abusada em um roça de palha.

“Nós ouvimos o diretor da escola e pedimos as fichas deles, eles têm vários episódios de indisciplina. Eles conhecem a vítima da escola e interagiam com ela nas redes sociais”, afirma.

O delegado também identificou onde e quem comprou as bebidas. “Um dos menores tentou comprar as bebidas, mas a dona do local não vendeu. Então, ele passou o dinheiro para o maior, que desceu do cavalo, entrou no bar e comprou. Além disso, encontramos vídeos deles andando pela cidade”, concluiu.

 

Agência Brasil

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.