Apesar de pressão da Câmara pelo código eleitoral, Senado avisa que freará iniciativa

Diante da mobilização da Câmara para aprovar o novo código eleitoral a tempo de já valer nas eleições do próximo ano, o Senado reforçou o recado de que colocará um freio na iniciativa dos deputados.

O novo código tem muitas questões polêmicas, como a censura a pesquisas eleitorais na antevéspera da eleição e a flexibilização das possibilidades de gastos com o fundo partidário.

Para vigorar em 2022, precisaria ser aprovado no Congresso e ser sancionado pela Presidência da República até o início de outubro.

Senadores avaliam que será preciso alguns meses para debater com profundidade as mudanças trazidas pelo novo código eleitoral.

Há o reconhecimento de que há coisas boas que podem ser incorporadas, mas de que é preciso rever várias alterações propostas pela Câmara. Senadores ressaltam que a análise não será feita a toque de caixa, como tem pressionado os deputados.

Nas palavras de um senador, o único compromisso assumido pela Casa é com a votação da minirreforma eleitoral da Câmara, que restabeleceu as coligações em eleições proporcionais (deputados e vereadores). Mas hoje o ambiente majoritário no Senado é de retomar o texto de 2017, que colocou um fim às coligações.

A percepção das bancadas no Senado é de que a pulverização de partidos, consequência das coligações, dificulta a governabilidade no país.

 

 

G1

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *