Bolsonaro foi o 24º líder a conversar com Putin em 2022

O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi o 24º líder a conversar com Vladimir Putin em 2022, de acordo com informações do Kremlin. O russo teve 41 compromissos oficiais com chefes de governo ou estado de 1º de janeiro até 6ª feira (18.fev.2022). Emmanuel Macron (França) se reuniu com Putin, presencialmente ou não, em 5 ocasiões — é o líder que mais conversou com o presidente da Rússia nos primeiros 49 dias do ano.

Bolsonaro e Putin se encontraram na 3ª (15.fev). Realizaram reunião no Palácio do Kremlin, sede do Executivo russo. A “atitude” de Bolsonaro durante a visita a Moscou foi criticada pelos Estados Unidos, mesmo que o governo brasileiro tenha mantido neutralidade em relação às tensões entre o país anfitrião e a Ucrânia.

Embora tenha sido o 24º presidente ou primeiro-ministro a ter contato com Putin em 2022, o encontro realizado na 4ª (16.fev) resultou na 39ª conversa oficial do presidente russo no período. No dia seguinte (17.fev), Putin falou por telefone com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida. E recebeu o presidente da Belarus, Alexander Lukashenko, na 6ª feira (18.fev).

DIÁLOGOS REGULARES

© Fornecido por Poder360

Reprodução/Kremlin – 7.fev.2022

Vladimir Putin (à esq.) e Emmanuel Macron (à dir.) durante conversa realizada em 7 de fevereiro de 2022

Ao realizar este levantamento, o Poder360 desconsiderou reuniões de Putin com 2 ou mais líderes ao mesmo tempo. Dessa forma, não entram no cálculo os diálogos que teve com os representantes dos países que integram a OTSC (Organização do Tratado de Segurança Coletiva) durante a sessão realizada em 10 de janeiro.

O critério faz com que o presidente da França, Emmanuel Macron, lidere o ranking de governantes mais presentes na agenda do Kremlin de janeiro e fevereiro. Foram 5 conversas em 16 dias, sendo 4 por telefone.

Lukashenko foi o 2º mais assíduo. O presidente bielorrusso teve 3 diálogos oficiais por telefone com Vladimir Putin antes de encontrá-lo pessoalmente na 6ª feira.

O mesmo aconteceu com o presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev. A viagem do cazaque a Moscou foi realizada em 10 de fevereiro.

Nikol Pashinyan, primeiro-ministro da Armênia, também conversou com Putin em 4 ocasiões. Todas por telefone.

Entre os líderes do G7, Macron é o único que conversou mais de uma vez com Putin. A 1ª delas foi em 28 de janeiro. O francês foi seguido por:

  • Mario Draghi (Itália), em 1º de fevereiro;
  • Boris Johnson (Reino Unido), em 2 de fevereiro;
  • Joe Biden (EUA), em 12 fevereiro;
  • Olaf Scholz (Alemanha), em 15 de fevereiro e
  • Fumio Kishida (Japão), em 17 de fevereiro.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, ainda não o fez.

PUTIN JOGA COMO MANDANTE

© Fornecido por Poder360

Reprodução/Kremlin – 4.fev.2022

Vladmir Putin (à esq.) e Xi Jinping (dir.) antes da reunião realizada em 4 de fevereiro, em Pequim

Bolsonaro foi o 8º líder estrangeiro a encontrar presencialmente Putin em 2022. Antes do brasileiro, viajaram até a Rússia:

  • Seyyed Ebrahim Raisi (Irã), em 19 de janeiro;
  • Viktor Orbán (Hungria), em 1º de fevereiro;
  • Alberto Fernández (Argentina), em 3 de fevereiro;
  • Emmanuel Macron (França), em 7 de fevereiro;
  • Kassym-Jomart Tokayev (Cazaquistão), em 10 de fevereiro.

Depois de Bolsonaro, Alexander Lukashenko foi até o Kremlin.

No período analisado, Vladimir Putin só saiu da Rússia para uma conversa. Em 4 de fevereiro, o russo encontrou o presidente chinês, Xi Jinping, em Pequim.

UCRÂNIA NA PAUTA

© Fornecido por Poder360

(à esq.) e Vladimir Putin (à dir.) antes da reunião realizada em 10 de fevereiro de 2022 Reprodução/Kremlin – 10.fev.2022

Kassym-Jomart Tokayev

A possibilidade da Rússia invadir a Ucrânia chamou a atenção de chefes de estado e governo de todo o mundo para o Leste Europeu, mas a agenda de Putin já estava movimentada antes da questão vir à tona.

Protestos realizados no Cazaquistão movimentaram a agenda do russo desde os primeiros dias do ano. O assunto motivou conversas individuais de Putin com Tokayev, e com líderes de outras ex-repúblicas soviéticas da Ásia.

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.