Comunidade intencional pressiona Israel e Hamas para extensão do cessar-fogo em Gaza

Comunidade intencional pressiona Israel e Hamas para extensão do cessar-fogo em Gaza

Mundo
Joaquim
28 de novembro de 2023
54

A comunidade internacional pressiona Israel e o Hamas para extensão do cessar-fogo na Faixa de Gaza que se encerra na manhã de terça-feira, 28, (madrugada em Brasília). O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, e o da Autoridade Palestina, Riyad al-Maliki, pediram nesta segunda-feira, 27, uma prorrogação da trégua na Faixa de Gaza. O acordo entre Israel e o Hamas é um “primeiro passo importante”, mas “é necessário muito mais”, disse Borrell no início de uma reunião em Barcelona da União para o Mediterrâneo (UfM). A trégua “deve ser estendida para torná-la sustentável e duradoura enquanto se trabalha por uma solução política que nos permita romper o ciclo de violência de uma vez por todas”, acrescentou o espanhol, que também considerou que “não haverá paz nem segurança para Israel sem um Estado palestino”.

“Não há outra solução senão acabar com a guerra (…) alcançar um cessar-fogo e trabalhar para estendê-lo para que seja permanente”, afirmou mais tarde Riyad al-Maliki, em espanhol. “Temos que terminar a contagem dos corpos”, acrescentou. “Estamos todos trabalhando para que esta trégua seja estendida, um dia, dois dias, mais três dias… não se sabe, mas o mais importante é continuar estendendo essa trégua” para “salvar vidas inocentes”, afirmou. Concentrada exclusivamente no conflito entre Israel e Hamas, esta edição da reunião anual dos ministros das Relações Exteriores da UpM, um fórum que reúne os países europeus e a bacia mediterrânea, acontece sem um representante de Israel. Borrell admitiu “lamentar” esta “ausência” e afirmou que Israel tem “seu lugar” neste fórum, do qual também são membros Jordânia, Líbano e Turquia.

“Nada pode justificar a brutalidade indiscriminada que o Hamas empregou contra civis em 7 de outubro. Mas um horror não pode justificar outro horror”, afirmou, em referência à represália do Exército israelense e ao “sofrimento da população civil em Gaza”. “A paz ainda está muito longe”, admitiu o chefe da diplomacia da UE, que indicou, no entanto, que “sempre há um momento em que a escuridão da situação pode levar apenas a um horizonte de paz”. Ao elencar as “pedras angulares” necessárias, segundo ele, para a construção da paz, Borrell citou o “retorno da Autoridade Palestina a Gaza”, onde o Hamas detém o poder desde 2007, e a rejeição da “recolonização de Gaza por Israel”.

reféns do hamas

Estima-se que cerca de 182 pessoas ainda são feitas de reféns pelo Hamas│EFE/EPA/ABIR SULTAN

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, pediu, nesta segunda-feira, 27, uma prorrogação da trégua alcançada na Faixa de Gaza entre Israel e o grupo islamista Hamas, para permitir a libertação de reféns e a chegada de ajuda. “Peço uma extensão da pausa que proporcionaria o alívio tão necessário ao povo de Gaza e a libertação de mais reféns”, disse Stoltenberg em coletiva de imprensa na sede da aliança em Bruxelas. Iniciado no dia 24, o acordo, que teve mediação do Catar e apoio dos Estados Unidos e Egito, prevê a libertação de 50 reféns em troca de 150 presos palestinos e cessar-fogo de 4 dias. Até o momento, foram libertos 39 reféns em troca de 117 presos palestinos. Outros 19 reféns, a maioria tailandeses que trabalhavam em Israel, foram liberados em negociações paralelas. Uma cláusula do acordo permite a ampliação do mesmo para a libertação diária de 10 reféns do Hamas em troca de 30 presos palestinos.

Nesta segunda, a horas do encerramento do acordo, Israel informou que propôs “uma opção” ao movimento islamista palestino Hamas para prolongar a trégua. “Queremos receber outros 50 reféns após esta noite, como parte de nosso objetivo de trazer todos os reféns de volta para casa”, declarou, à imprensa, Eylon Levy, porta-voz do governo israelense, ao informar sobre a iniciativa israelense. Liberar outros 50 reféns implicaria uma prorrogação de cinco dias. Uma fonte próxima ao Hamas indicou no domingo que o movimento islamista palestino está disposto a estender “de dois a quatro dias” a trégua vigente. “A resistência acredita que é possível garantir a libertação de entre 20 e 40 israelenses” neste tempo, assegurou a fonte. Uma fonte de segurança egípcia afirmou nesta segunda-feira que ambas as partes estavam em desacordo sobre a maneira de prorrogar o cessar-fogo. Enquanto Israel defende uma prorrogação, dia por dia, o Hamas busca uma extensão de quatro dias. O porta-voz do governo israelense afirmou que a campanha para “aniquilar o Hamas” seria retomada imediatamente após a trégua e libertação dos reféns. “Foi, sem dúvida, a pressão militar israelense que levou o Hamas a aceitar a libertação desses reféns”, disse Levy.

Ahikam SERI / AFPfaixa de gaza Tropas israelenses passam em um veículo por edifícios danificados durante uma operação militar no norte da Faixa de Gaza, em meio a contínuas batalhas entre Israel e o grupo militante palestino Hamas

Jovem Pan

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.