Denúncia grave! cidadão denuncia possível “negligência” do Hospital Distrital de Itaporanga-PB com esposa grávida de sete meses.

O funcionário público, Wiliams Rodrigues, natural de Boa Ventura-PB, vem de público demonstrar sua imensa indignação com o Hospital Distrital de Itaporanga-PB.

Wiiliams diz que por pouco sua sua esposa grávida de sete meses de uma menina, não tiveram um desfecho trágico, em decorrência de um parto complicado que começou dentro de uma ambulância a caminho de Patos e foi concluído as pressas por uma equipe médica da maternidade peregrino filho em Patos-PB.

O marido afirma disse que sua esposa deu entrada na tarde de quinta-feira 16, no Hospital com perda de líquido e só foi transferida para Patos, no final da tarde de sexta-feira 17; segundo ele, quando a vaga foi disponibilizada na tarde de sexta na maternidade, uma funcionária do hospital o orientou a transportar sua esposa em um carro particular, porém, o mesmo não quis arriscar tendo em vista que pela manhã um exame de ultrassom feito em uma clínica particular próximo ao hospital revelou a urgência da situação.

Diante dos fatos, foi solicitado uma ambulância de Boa Ventura-PB, que ao chegar, a enfermeira e o condutor perceberam que pelas condições da mulher grávida de 7 meses e já com contrações, o traslado em uma ambulância comum não seria adequado, pois em um possível parto de bebê prematuro poderia ocorrer maiores complicações, sendo a mais grave e colocar a vida do recém nascido e da gestante, sob risco de morte, já que no veículo, não haveria o suporte adequado.

Wiliams e alguns familiares se revoltaram na recepção do HDI, fazendo pressão para que fosse feito alguma coisa, ele ainda chegou a acionar o SAMU mas, segundo o que foi informado pelo o próprio SAMU, só o hospital poderia solicita-lo, tendo em vista que a paciente estava sob os cuidados do mesmo; ele ainda pediu para que o hospital fizesse isso mas, não obtendo êxito e sem opção, sua esposa foi colocada na ambulância de Boa Ventura, prestes a ser transferida, de última hora uma ambulância da cidade de São josé de  Caiana com um estrutura melhor chegou no local para fazer o transporte.

“Foram momentos angustiantes para que minha filha não nascesse dentro do carro” afirmou o Wiliams. Como seria um parto prematuro, a criança precisaria de um suporte médico melhor.

No trajeto conforme previsto, as contrações foram aumentando e a gestante entrou em trabalho de parto, sendo o mesmo concluído pela equipe médica da maternidade ainda dentro da ambulância.

A bebê Luna Vitória nasceu e logo foi transferida com urgência para a UTI neonatal e segue internada; a mãe passa bem, apesar do transtorno, está muito ansiosa, na esperança de poder segurar sua filha no colo.

O que revolta Wiliams e sua família é que todo esse transtorno poderia ter sido evitado se assim que a vaga foi liberada o hospital tivesse agilizado a transferência para que a criança tivesse nascido a tempo dentro uma unidade hospitalar com uma estrutura adequada.

 

 

 

Vale News PB

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.