O que se sabe sobre terremoto que deixou ao menos 13 mortos e mais de 120 feridos no Equador

O que se sabe sobre terremoto que deixou ao menos 13 mortos e mais de 120 feridos no Equador

Mundo Sem categoria
Joaquim
19 de março de 2023
86

Um terremoto de magnitude 6,8 foi registrado neste sábado no Equador e deixou, ao menos, 13 pessoas mortas e mais de 120 feridas, segundo informações de autoridades do país.

O sismo foi registrado por volta das 12h12, horário local, e teve o seu epicentro nas proximidades do município de Balao, província de Guayas, próximo à fronteira com o Peru, a uma profundidade de 66 quilômetros, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

As cidades de Machala e Cuenca foram as mais atingidas, com casas destruídas e veículos esmagados nas ruas.

“O terremoto foi sentido em quase todas as províncias do país, mas houve um maior número de relatos provenientes das províncias de Guayas, Pichincha, Azuay e El Oro, especialmente das cidades de Guayaquil, Quito e Cuenca”, informou o Instituto Geofísico do Equador.

Em seu relatório mais recente, a presidência do Equador informou que 13 pessoas morreram e ao menos 126 ficaram feridas. No total, sete casas foram destruídas e cerca de 50 tiveram algum grau de dano.

A maioria das vítimas eram moradores das províncias de El Oro e Azuzay. O presidente Guillermo Lasso liderou a instalação de um comitê de emergência.

“Estamos avaliando os efeitos causados pelo terremoto. As instituições foram acionadas imediatamente e as equipes de contingência estão se mobilizando para oferecer todo o apoio aos afetados”, disse Lasso no Twitter.

“É uma magnitude relativamente alta para o que temos no país”, disse Mario Ruiz, diretor do Instituto Geofísico do Equador, em entrevista à rádio FM Mundo.

Grupos de emergência foram mobilizados em diferentes áreas afetadas para resgatar pessoas e avaliar os danos.

“Corremos para as ruas, essa situação foi muito feia. Ficamos com muito medo, estamos perto do epicentro, o susto foi grande”, disse à Reuters Ernesto Alvarado, morador da ilha equatoriana de Puná.

 

 

Terra

 

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.