Palmeiras atropela o São Paulo, é campeão paulista Paulista e reafirma protagonismo

Para uma equipe que conquistou nos últimos anos uma série de títulos nacionais e internacionais, ganhar o caneco do Campeonato Paulista poderia não ser tão significativo. Mas não será assim para o Palmeiras, que neste domingo (3) conseguiu uma vitória histórica sobre o São Paulo, 4 a 0 no Allianz Parque, para ser campeão estadual.

Quando a decisão se desenhou com os dois times na final, a equipe alviverde foi apontada como favorita não só pelo elenco que tem, mas sobretudo pelo fato de ser o clube paulista com mais títulos importantes nos últimos cinco anos, como duas Libertadores (2020 e 2021), por exemplo.

Desde 2017, enquanto os palmeirenses ganharam sete troféus, o Corinthians ganhou quatro títulos (sendo três estaduais e um nacional), o São Paulo faturou um e o Santos, nenhum, em um cenário que reforça o protagonismo alviverde diante dos rivais.

Porém, o favoritismo não se confirmou no primeiro jogo, no Morumbi, quando os são-paulinos venceram por 3 a 1. Um placar que exigia do Palmeiras uma vitória no segundo confronto por, pelo menos, dois gols para levar a decisão para os pênaltis. Mas, diante de seus torcedores, o time fez mais.

Ainda no primeiro tempo, o time alviverde derrubou a vantagem construída pelo rival na ida. Danilo, aos 22 minutos, e Zé Rafael, aos 28, marcaram os gols que deixaram a decisão empatada no placar agregado.

Antes dos gols, que refletiam o amplo domínio palmeirense, a torcida da casa reclamou de pênalti, quando a bola bateu na mão de Eder após chute de Scarpa. O árbitro Raphael Claus revisou o lance no vídeo, mas não considerou infração. E também não viu irregularidade no segundo gol alviverde, quando os tricolores ficaram reclamando de uma falta em Calleri no início da jogada.

Depois do intervalo, logo no segundo minuto, os donos da casa tomaram a dianteira no placar agregado, ao marcar o terceiro com Raphael Veiga após linda jogada de Dudu. O próprio Veiga marcaria mais uma vez, aos 37, para fechar a conta.

Com os nervos à flor da pela diante da derrota, Rafinha foi expulso aos 45 minutos, deixando o São Paulo com um a menos, aumentando a frustração dos tricolores.

Ao falar da torcida palmeirense no Allianz, o goleiro Weverton comparou o título paulista aos continentais. “A gente ganhou duas Libertadores, mas eu vou te falar que nenhuma delas, nenhum dia desses foi igual ao de hoje. Hoje foi um dia tremendo em nossas vidas. Foi um futebol que te emociona, que te faz chorar.”

Foi o segundo título estadual do Palmeiras nos últimos cinco anos —também ganhou em 2020—, período em que o clube priorizou as disputas nacionais e internacionais.

Nesse cenário, passou a alimentar uma rivalidade com o Flamengo, com quem polarizou a luta por títulos de maior importância, destacando-se de seus rivais estaduais.

No ano passado, por exemplo, enquanto o São Paulo festejou a conquista do Paulista que tirava o clube de um jejum de nove anos sem troféus, o time alviverde celebrou no final do ano a conquista de sua terceira Libertadores.

Além dos dois continentais e dos dois estaduais, a equipe palmeirense faturou o Brasileiro (2018), a Copa do Brasil (2020) e a Recopa Sul-Americana (2022), fazendo do período um dos mais vitoriosos da história do clube.

E o saldo poderia ser ainda maior já que o time acumula cinco vices nos últimos cinco anos: duas vezes no Estadual (2018 e 2021), Recopa (2021), Supercopa do Brasil (2021) e Mundial de Clubes (2021).

Apesar do revés no primeiro jogo com os são-paulinos, o elenco dirigido pelo português Abel Ferreira fez também a melhor campanha do Estadual, com 12 vitórias, 3 empates e somente uma derrota, justamente no jogo de ida da decisão.

O rendimento reflete a regularidade do elenco, que além de sua força coletiva, conta com nomes capazes de desequilibrar um jogo, como Dudu e Raphael Veiga.

Há, ainda, a consistência defensiva, setor em que os grandes pilares são o zagueiro Gustavo Gómez e o goleiro Weverton. Os três gols sofridos no Morumbi não impediram a equipe de ter a defesa menos vazada do torneio, com seis gols sofridos somando todas as fases.

Um dos principais responsáveis não só pelo desempenho como pelas recentes conquistas é Abel. Ao levar o Palmeiras até a final do Paulista, o técnico europeu ficou ainda mais próximo de igualar um recorde no clube que pertence a Luiz Felipe Scolari.

O técnico que deu ao clube sua primeira Libertadores, em 1999, entre outros títulos, soma dez decisões no total, considerando apenas finais em caráter eliminatório. Ao todo, ele ganhou seis títulos. Abel tem nove e, com o estadual, chegou à quinta conquista.

Idolatrado pela torcida, o português também se tornou o primeiro técnico da história do clube a colecionar pelo menos um título estadual, nacional e internacional. E ele, assim como a torcida, quer mais.

 

 

Folha Press

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.