Propinas na educação chegavam a até 45% na Paraíba, diz empresário

As supostas propinas da área de educação investigadas na Operação Calvário tinham percentuais de 5% a 30%, e chegaram a até 45%, segundo o empresário Vladimir Neiva, da Grafset, em delação anexada à denúncia protocolizada hoje pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB).

O valor de 45% teria sido pago em cima do contrato de quase R$ 4.5 milhões. Veja:

“Geralmente a aquisição de livros rendia propina que poderia atingir 30% e os demais materiais (laboratórios, kits escolares etc.) poderiam atingir 20%”, diz a denúncia.

O período de pagamento teria sido de 2012 até 2018. De acordo com o MPPB, o destino seria Livânia Farias, que tratava do dinheiro dentro da Organização Criminosa.

 

 

 

Wscom

Assine nosso boletim de notícias

Receba gratuitamente em seu email todas as notícias que acontecem no vale do Piancó, na Paraíba e no mundo, assine já, é grátis, digite seu melhor e-mail no compo abaixo e click no botão Assinar.

Falta pouco

Confirme sua assinatura gratuita seguindos o passo a passo abaixo:

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *