Ascensão da Índia deixa China vulnerável; ausências no G20 mostram que mundo se afasta da globalização

Ascensão da Índia deixa China vulnerável; ausências no G20 mostram que mundo se afasta da globalização

Mundo
Joaquim
10 de setembro de 2023
67

A Índia, país que passou a ser o mais populoso do mundo e que recentemente se juntou a China, Estados Unidos e Rússia como aqueles que conseguiram chegar à Lua, tem gerado um desconforto nos chineses e aumentado a tensão há tempos abalada. Na semana passada, por exemplo, a publicação do novo mapa da China irritou os indianos, que acusaram Pequim de roubar parte de seu território – Malásia e Filipinas também ficaram desconfortáveis com o posicionamento chinês.

Essa publicação aconteceu entre duas datas importantes, a reunião do Brics, no final de agosto, e dias antes da Cúpula do G20, que será realizada em Nova Delhi, na Índia, e da qual o presidente da China, Xi Jinping, já anunciou que não vai participar. Esta é a primeira vez que o líder se ausenta do evento desde que chegou ao poder. Mesmo em 2021, em plena pandemia, ele participou. A decisão, segundo especialistas ouvidos pela Jovem Pan, mostra que estamos nos afastando da globalização e integração que tinha começado há séculos.

Diante desses últimos acontecimentos, fica o questionamento: A índia é uma ameça para a China? A respostá é: depende do ponto de vista. “Os chineses veem, de alguma forma, os indianos como ameaça, no sentido deles terem muita proximidade também com o Ocidente”, fala Pedro Brites, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas.

Ele lembra que a Índia está presente no Quad (Diálogo Quadrilateral sobre Segurança), que reúne também os Estados Unidos, Austrália e o Japão, e que tem foco em uma questão militar e, de certa forma, de contenção das iniciativas chinesas – o que faz com que a China veja a Índia como uma ameaça. Para o especialista, devemos continuar vendo uma tendência de aumento das tensões. Brites destaca, no entanto, que há muitas diferenças entre os países apesar dessa aliança. “A China ainda tem uma economia muito mais sólida, muito mais estruturada do que a Índia e também, em termos de capacidades militares, já tem um processo de modernização das suas forças militares mais avançado que a Índia”, fala. O professor também ressalta que essa ascensão indiana que temos acompanhado vem ocorrendo desde a década de 1980 e início dos anos de 1990.

 

 

Jovem Pan

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.