Igreja Católica alemã aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo e diaconato para mulheres

Igreja Católica alemã aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo e diaconato para mulheres

Mundo
Joaquim
12 de março de 2023
63

Cargo tem funções como ajudar padres durante missa, realizar batismos e abençoar casamentos reformas, incluindo a bênção de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e a permissão de diáconas, mesmo sob o risco de irritar o Vaticano. Bispos, padres, freiras e representantes leigos da Igreja se reuniram em Frankfurt de 9 a 11 de março para a última assembleia do “Caminho Sinodal” da Alemanha, um processo lançado em 2019 em resposta ao escândalo de abuso sexual clerical.

Cerca de 200 representantes (delegados) votaram em 15 questões separadas, entre as quais a de maior destaque foi o acordo, aprovado de maneira esmagadora, para ordenar mulheres ao diaconato. Os diáconos podem ajudar os padres durante a missa, realizar batismos e abençoar casamentos.

A decisão final sobre a permissão de diáconas, contudo, cabe ao Papa Francisco. Os delegados em Frankfurt não chegaram a votar a favor de padres do sexo feminino, uma questão ainda mais controversa. Os participantes do “Caminho Sinodal” também apoiaram a oferta de bênçãos para casais do mesmo sexo, desafiando o Vaticano, que considera a homossexualidade um pecado.

Crucialmente, a medida foi apoiada pela maioria dos bispos alemães, que têm autoridade para realizar as cerimônias em sua diocese sem a aprovação do Vaticano. O resultado foi saudado pelo chefe da Conferência Episcopal Alemã, Georg Baetzing, como um resultado “muito bom”. Bênçãos para relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo já são oferecidas na Alemanha por alguns padres católicos, mas a demonstração pública de apoio provavelmente encorajará mais cerimônias desse tipo.

‘Não pode ficar o mesmo’

A campanha de reforma alemã, que incluiu discussões controversas sobre o celibato sacerdotal e a mudança da estrutura de tomada de decisões na Igreja, provocou profundas tensões com Roma e até provocou temores de um cisma (divisão). Baetzing minimizou essas preocupações em Frankfurt.

“O Caminho Sinodal não leva a uma divisão nem é o começo de uma Igreja nacional”, disse ele aos delegados.

Baetzing espera que as propostas alemãs sejam incorporadas ao sínodo global do Papa Francisco, que terá uma discussão sobre as reformas da Igreja em outubro. A Igreja Católica da Alemanha continua sendo a maior religião do país, contando com 21,6 milhões de membros em 2021.

O Globo

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.