Livro de itaporanguense reúne distintos elementos do sentir humano

Realismo e ficção; filosofia e paranormalidade. O livro “Eu vejo gente morta”, do jornalista paraibano Sousa Neto, é um mergulho na complexidade do sentido e do sentir humanos na vida e depois dela, reunindo elementos distintos do pensamento e que, embora pareçam contrastantes, convergem para uma mesma essência. Pelo menos é o que tanta mostrar a obra.

O livro é um romance que aborda também contemporaneidade e realismo a partir de uma narrativa em primeira pessoa com traços de ficção, filosofia e experiências ditas sobrenaturais. O texto não é um mero exercício de imaginação da vida nem da morte, mas, conforme o autor, um livro baseado em vivências tão reais quanto inexplicáveis.

O livro foi publicado pela Ideia Editora e está disponível na Livraria do Luiz, localizada na Praça 1817, centro de João Pessoa, e também no Meg Shopping, que fica no bairro de Manaíra. A obra ainda pode ser adquiridada pelo celular 998645594, que também é WhatsApp.

 

Wscom

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.