Lula deixa líderes e ministros de sobreaviso para reunião de emergência

Lula deixa líderes e ministros de sobreaviso para reunião de emergência

Brasil Destaque
Joaquim
19 de abril de 2024
32

O presidente Lula (PT) avisou aos integrantes da área política do governo para ficarem de sobreaviso para uma reunião de emergência, que pode acontecer na sexta-feira (19). A ideia é fazer um encontro antes da cerimônia em comemoração ao Dia do Exército, marcada para as 10h, em Brasília.

A reunião deve contar com a presença de:

  • Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo no Senado;
  • José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara;
  • Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), líder do governo no Congresso Nacional;
  • Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais;
  • Paulo Pimenta, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social;
  • Rui Costa, ministro da Casa Civil.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que estava nos Estados Unidos, antecipou a volta para o Brasil. Embora tenha agenda em São Paulo, ele também pode participar da reunião emergencial.

Lula convocou os líderes diante da crise no Congresso e o avanço das chamadas “pautas-bomba”. Entre as preocupações do Planalto está a PEC do Quinquênio e a relação com Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara.

Lira vem reclamando da articulação política do governo e chamou Padilha de incompetente durante uma entrevista coletiva. O presidente da Câmara também chegou a falar sobre a instalação de CPIs, embora tenha descartado a CPI do Judiciário.

O governo não está se preocupando com pautas de costume, que também estão avançando no Congresso. Por outro lado, o Planalto está atento a aprovação das “pautas-bomba”, que podem causar impacto fiscal nas contas públicas.

PEC do Quinquênio

O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues, disse nesta quinta-feira (18) que governo vai trabalhar para adiar a votação da PEC do Quinquênio.

A Proposta de Emenda à Constituição concede um aumento salarial de 5% a cada cinco anos de serviço para membros do Judiciário e do Ministério Público.

Se aprovada, a PEC pode causar um impacto fiscal de cerca de R$ 42 bilhões, segundo o líder do governo no Senado, Jaques Wagner.

“O governo vai apelar para o bom senso. Tem uma greve dos servidores público, que reivindicam progressão de carreira, plano de cargos de salários. Não me parece muito adequado o Congresso sinalizar uma matéria para o topo da carreira do funcionalismo público, enquanto não tem uma proposta para todos os servidores”, declarou Randolfe ao deixar reunião com lideranças do Senado.

O texto deverá entrar na pauta do plenário do Senado já na próxima semana. Ao todo, serão cinco sessões de discussões em primeiro turno. Após isso, o texto poderá ser votado. Ainda não há uma data para que isso aconteça.

Defensores da PEC, entre eles o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), avaliam que o texto é uma forma de valorizar as carreiras, enquanto não há propostas de reformulação das estruturas dos servidores.

G1

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.