O ‘padrinho’ da inteligência artificial que se demitiu do Google

O ‘padrinho’ da inteligência artificial que se demitiu do Google

Mundo
Joaquim
2 de maio de 2023
125

O homem conhecido como o “padrinho” da inteligência artificial (IA) pediu demissão, alertando sobre os crescentes perigos da tecnologia.

Geoffrey Hinton, de 75 anos, anunciou sua saída do Google em entrevista ao jornal americano The New York Times, dizendo que agora se arrepende do seu trabalho.

Psicólogo cognitivo e cientista da computação, ele afirmou à BBC que alguns dos perigos dos chatbots (robôs virtuais) de inteligência artificial são “bastante assustadores”.

“Neste momento, eles não são mais inteligentes do que nós, até onde eu sei. Mas acho que em breve poderão ser.”

Hinton também admitiu que sua idade influenciou na decisão de deixar a empresa.

“Tenho 75 anos, é hora de me aposentar”, disse ele à BBC.

A pesquisa pioneira de Hinton sobre deep learning (aprendizagem profunda) e redes neurais abriu caminho para os atuais sistemas de inteligência artificial, como o ChatGPT.

Mas ele afirmou à BBC que o chatbot poderá em breve ultrapassar o nível de informação que o cérebro humano detém.

“Neste momento, o que estamos vendo são coisas como o GPT-4 superar uma pessoa na quantidade de conhecimento geral que ela tem, e a supera de longe. Em termos de raciocínio, não é tão bom, mas já é capaz de raciocínios simples.”

“E, dado o ritmo de evolução, a expectativa é de que fiquem melhor rapidamente. Então, precisamos nos preocupar com isso.”

Rosto de robô de inteligência artificial e código de programação em azul sobre um fundo preto

Getty Images

Na reportagem do New York Times, Hinton se referiu a “pessoas mal-intencionadas” que tentariam usar a inteligência artificial para “coisas ruins”.

Quando questionado pela BBC para falar mais sobre isso, ele respondeu:

“É tipo na pior das hipóteses, uma espécie de cenário de pesadelo.”

“Você pode imaginar, por exemplo, uma pessoa mal-intencionada como [o presidente russo Vladimir] Putin que decide dar aos robôs a capacidade de criar seus próprios subobjetivos.”

O cientista alertou que isso pode mais cedo ou mais tarde “criar subobjetivos como ‘preciso obter mais poder'”.

E acrescentou:

“Cheguei à conclusão de que o tipo de inteligência que estamos desenvolvendo é muito diferente da inteligência que temos.”

“Somos sistemas biológicos, e estes são sistemas digitais. E a grande diferença é que com os sistemas digitais, você tem muitas cópias do mesmo conjunto de pesos, o mesmo modelo do mundo.”

“E todas essas cópias podem aprender separadamente, mas compartilham seu conhecimento instantaneamente. Portanto, é como se você tivesse 10 mil pessoas, e sempre que uma delas aprendesse algo, todas automaticamente aprenderiam. E é assim que esses chatbots são capazes de saber muito mais do que qualquer pessoa.”

O cientista enfatizou que não queria criticar o Google e que a empresa de tecnologia havia sido “muito responsável”.

“Na verdade, quero dizer algumas coisas boas sobre o Google. E elas terão mais credibilidade se eu não trabalhar para o Google.

Em um comunicado, o cientista-chefe do Google, Jeff Dean, afirmou:

“Continuamos comprometidos com uma abordagem responsável da inteligência artificial. Estamos aprendendo continuamente a entender os riscos emergentes enquanto também inovamos com ousadia”.

 

 

Correio Braziliense

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.