Profissionais de imprensa são supostamente agredidos por dirigentes do Botafogo-PB; sindicatos emitem nota

Profissionais de imprensa são supostamente agredidos por dirigentes do Botafogo-PB; sindicatos emitem nota

Paraíba
Joaquim
19 de março de 2023
58

Dirigentes do Botafogo-PB supostamente agrediram profissionais da imprensa na noite deste sábado (18), no Estádio Almeidão, em João Pessoa. O ato ocorreu logo após a vitória do Belo sobre o Sousa, por 1 a 0, no jogo de ida das semifinais do Campeonato Paraibano 2023.

Segundo relato, o empresário Breno Morais, conselheiro emérito, e Afonso Guedes, que é vice de futebol do Botafogo-PB, se excederam em suas críticas ao repórter Fábio Hermano e ao comentarista Pedro Alves, que cobriam o jogo pela Rádio CBN. Além deles, Elialdo Silva, presidente da Associação Paraibana dos Cronistas Esportivos (APBCE), também sofreu agressões.

De acordo com as vítimas, as agressões aconteceram na área reservada à imprensa no Almeidão, pouco após o fim do jogo. Segundo eles, Breno Morais agrediu verbalmente os profissionais da imprensa, com gritos e palavrões, acusando-os de mentirosos e de, intencionalmente, serem responsáveis por tumultuar o ambiente no Botafogo-PB.

Já Afonso Guedes, vice-presidente do Botafogo-PB, ainda segundo relato dos profissionais de imprensa, também partiu para cima de Fábio Hermano, numa aparente tentativa de intimida-los com agressões verbais, mas foi contido por outros profissionais que estavam no local.

Além da tentativa de cercear o trabalho da imprensa, o jornalista Fábio Hermano revelou ainda que foi proibido pelos dirigentes de ter acesso à Maravilha do Contorno, sede do Botafogo-PB, e de participar das entrevistas coletivas do clube. Já Pedro Alves estava na cabine reservada à CBN quando ouviu os gritos de Breno no corredor. Quando saiu para ver o que estava acontecendo, foi atacado verbalmente.

Elialdo Silva confirmou os relatos de Fábio Hermano e de Pedro Alves.

O que diz o Botafogo

Até o fechamento desta matéria, o clube não se manifestou oficialmente sobre o episódio.

Entidades se solidarizam com profissionais de imprensa agredidos; confira as notas:

API

A Associação Paraibana de Imprensa (API) vem a público repudiar as agressões verbais protagonizadas pelo empresário Breno Morais a profissionais da crônica esportiva no Estádio Almeidão, após jogo entre Botafogo e Sousa pelas semifinais do Campeonato Paraibano 2023. A API também se solidariza com os profissionais desacatados e se coloca à disposição para medidas cabíveis.

De acordo com informações repassadas pelos profissionais agredidos aos demais colegas presentes o Almeidão e vídeos que circulam em aplicativos de troca de mensagens, logo após o término da partida, o empresário passou a proferir impropérios contra profissionais ainda no espaço destinado as cabines de imprensa. O jornalista Pedro Alves, do site Globo Esporte, afirmou que foi umas das vítimas nesta ocasião. Nesse momento, o presidente da Associação Paraibana de Cronistas Esportivos, Elialdo Silvia, cobrou respeito ao ambiente e aos profissionais, e também foi vítima da fúria de Breno Morais.

Logo em seguida, ainda nos corredores do estádio, o empresário também agrediu verbalmente o jornalista Fábio Hermano, da rádio CBN. Na ocasião, segundo o jornalista, outros funcionários do clube tentaram tomar o seu microfone. A API reforça seu compromisso com a liberdade de imprensa, lamenta que episódios como este ainda aconteça, cobra uma postura de respeito do Botafogo, seus dirigentes e funcionários aos cronistas esportivos da Paraíba, e repudia qualquer forma de intimidação ao trabalho dos profissionais de imprensa.

APBCE

A Associação Paraibana dos Cronistas Esportivos (APBCE) vem a público repudiar a violência contra os jornalistas Fábio Hermano e Pedro Alves da Rádio CBN, e Elialdo Silva da Rádio POP, que no exercício de suas funções – durante a partida Botafogo e Sousa pela semifinal do Campeonato Paraibano 2023 – foram agredidos em um evidente atentado à liberdade de imprensa.

A APBCE acredita que casos como esse representam um ataque frontal às leis, visto que um dos agressores foi banido do esporte pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva e continua promovendo transgressões em praças esportivas. Considera ainda, que o episódio é a publicização da vontade dos autores de calar a criticidade e o jornalismo sério, fundamental para levar ao torcedor uma informação de qualidade.

A Associação Paraibana dos Cronistas Esportivos estende a sua solidariedade às equipes da CBN e da POP FM e a todos os profissionais de imprensa, por acreditar que quando um agente de comunicação é agredido, todos são atingidos. O presidente da instituição afirma que já tem recebido o apoio de outras entidades de representação da categoria em nível nacional e local, a exemplo da Associação de Cronistas Esportivos do Brasil (ACEB) e da Associação Paraibana de Imprensa (API).

Por fim, o presidente Elialdo Silva assegura às seguintes providências:

1) Disponibilização de dois advogados do departamento jurídico da APBCE para acompanhamento dos profissionais na delegacia, onde deve ser incialmente registrado os casos.

2) Por meio de ofício, cobrar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) o fiel cumprimento do banimento dos alvos da Operação Cartola.

3) A presidência da APBCE vai acionar à Comissão Permanente de Prevenção e Combate à Violência nos Estádios, coordenada pelo Ministério Público da Paraíba, para uma urgente reformulação do Guia de Procedimentos Operacionais para Segurança em Eventos de Futebol na Paraíba.

4) Convocar a Federação Paraibana de Futebol (FPF), a Secretaria de Esportes do Estado e os Clubes para discutir o fiel cumprimento de espaços exclusivos para imprensa.

5) A APBCE ainda vai intensificar o trabalho da equipe de fiscalização das prerrogativas dos cronistas nos estádios.

Por fim, a APBCE conclama a todos e todas a fortalecerem a democracia, que perpassa pela luta em defesa do livre-pensar, de um jornalismo crítico e da valorização dos jornalistas. Até porque, o jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.

Acep-PB

A Associação dos Cronistas Esportivos da Paraíba (Acep-PB) torna público total repúdio à atitude do empresário Breno Morais que, com apoio do seu filho, agrediu a imprensa esportiva paraibana, com agressões verbais dirigidas aos profissionais em pleno exercício da profissão, fato ocorrido na tarde/noite deste sábado, dia 18 de março de 2023, no estádio Almeidão, em João Pessoa, após o encerramento da partida entre Botafogo-PB e Sousa, jogo pelas semifinais do Campeonato Paraibano 2023.

Relatos da imprensa apontam agressão de Breno e seu filho ao jornalista Fábio Ermano, da Rádio CBN, e ao repórter Elialdo Silva, da Radio POP FM e presidente da APBCE. A Acep-PB espera atitude diligente das autoridades competentes quanto a apuração dos fatos ocorridos, como forma de apontar e punir exemplarmente os culpados.

Em tempo, a entidade classista ratifica apoio incondicional aos jornalistas/radialistas do segmento esportivo no exercício de mister, ao tempo em que presta solidariedade aos profissionais vítimas do destempero do citado empresário que, de forma crescente, vem atacando a imprensa esportiva paraibana.

Arfoc-PB

A Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos da Paraíba (ARFOC-PB) vem repudiar as agressões verbais aos jornalistas no Estádio O Almeidão, após o jogo Botafogo-PB x Sousa neste sábado. ARFOC-PB se solidariza com os profissionais Pedro Alves, do site Globo Esporte, Elialdo Silva, da POP FM, e jornalista Fábio Hermano, da Rádio CBN.

Agressões e xingamentos contra a imprensa no Estado Democrático de Direito devem ser intoleráveis por toda a sociedade.

Joaquim Franklin

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

You May Also Like!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.