‘Sempre socorri pessoas e reverti o quadro, do meu filho não consegui’, diz enfermeira que atendeu filho baleado em tiroteio

A funcionária do Hospital e Maternidade Flávio Ribeiro Coutinho, em Santa Rita, na Grande João Pessoa, descobriu que uma das vítimas de um tiroteio na cidade era o próprio filho ao fazer o atendimento dele na unidade hospitalar, na noite dessa segunda-feira (14).

Gabriel Francelino Olímpio, de 22 anos, foi baleado enquanto estava na esquina de casa, quando suspeitos atiraram contra ele, enquanto estavam em perseguição a uma terceira pessoa, que também ficou ferida e foi socorrida.

“Só tenho que pedir forças a Deus. Pedir paz, que ultimamente é impossível no meio de tanta guerra. Um menino jovem, que nunca fez mal a ninguém. Eu sempre trabalhei para dar o melhor para meu filho e não sei como foi. Eu senti. Sempre socorri pessoas e sempre consegui reverter o quadro e ontem eu não consegui, vendo meu filho indo embora”, lamentou.

Gabriel teria tentado correr e se esconder dos suspeitos, mas acabou atingido. Ele foi socorrido e encaminhado para a unidade hospitalar na qual a mãe trabalha, mas não resistiu aos ferimentos. “Como temos um único hospital de referência, sempre recebemos muitos jovens vítimas de arma de fogo e eu lutava, ia para cima, e de repente, talvez essa pessoa que fez isso com meu filho já tenha me encontrado para socorrer ele”, disse.

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.