Inflação dos serviços atinge o maior nível em 12 anos com retomada do consumo, diz IBGE

Em escalada desde dezembro, indicador acumulado em 12 meses atingiu, em julho, o maior patamar desde junho de 2014. Serviços relacionados ao turismo são os mais impactados pela alta de preços.

Por um lado, o Brasil teve, em julho, a deflação mensal mais intensa em mais de 40 anos – mas, por outro, havia 12 anos que o país não registrava uma inflação acumulada tão alta sobre os serviços.

É o que apontam os dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que sugerem haver relevante efeito de demanda pressionando a alta de preços na prestação de serviços.

Enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado o indicador oficial da inflação, teve variação negativa na passagem de junho para julho (-0,68%, a menor taxa mensal desde 1980), o índice calculado especificamente para os principais serviços prestados no país teve alta de 0,80% na mesma comparação.

A taxa é menor que os 0,90% registrados em junho. Mas a desaceleração não foi capaz de frear a alta do indicador no acumulado em 12 meses, que chegou a 8,87% – taxa mais alta registrada pelo IBGE desde junho de 2014.

“A demanda tem pressionado muito a alta de preços dos serviços, principalmente daqueles relacionados ao turismo. Isso, claramente, está relacionado à retomada do consumo das famílias”, apontou o gerente da Coordenação Índices de Preços do IBGE, Pedro Kislanov.

G1

Joaquim Franklin

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.